batalha da Matola

Entretanto, vale a pena aqui lembrar que, por essas alturas, uma outra dura batalha se travava pela protecção ambiental.


O palco era agora a Matola, e o script do filme focava uma tentativa de incineração de pesticidas nos fornos dos Cimentos. O governo moçambicano, a Danida e os residentes da Matola eram os actores principais.


A rodagem do filme durou três duros anos, e as imagens finais sugeriam um happy-end. Na verdade, a 29 Setembro 2000 a cena mostrava o governo e a Danida em trôpego recuo perante as massas da Matola - e a imensa pressão solidária, nomeadamente da Livaningo em coligação internacional.


O projecto crematório CIM-Matola era finalmente abandonado, incluindo a rejeição da opção DANIDA - uma opção que sugeria investimentos numa estação de tratamento usando os fornos cimenteiros.

Uma opção que como o demonstravam documentos revelados em 1998 não se eximiria a importar lixos sob pretexto de economias de escala, e em descarada contravenção de todas as civilizadas convenções - Basileia, Bamako, Lomé IV (art 39) ... e da mais básica eco-ética.


Mas importa notar que, estranhamente, o filme da Matola havia começado com imagens de governos e Danidas atarefados em esconder agendas. E o enredo adensava-se em mistérios porque estas starlettes, apesar de principescamente pagas, só apareciam para gaguejar trapalhices - ou se quedarem em intrigantes mutismos.

Como se o segredo fosse a alma dos seus negócios.


E ao terceiro actor parecia destinado o papel de idiota do filme. Isto porque aos habitantes da Matola/Maputo ninguém dizia nada quanto aos perigos da incineração via fornos cimenteiros. Ninguém lhes dizia nada sobre os mais tóxicos poluentes orgânicos persistentes (POPs) que do processo resultariam - umas inevitáveis dioxinas e furanos que certamente encontrariam abrigo nos pulmões das poeiras, e no cimento produzido.


Tragicamente, tudo indicava que a Danida não havia aprendido a lição de um outro seu filme de exportação - de incineradores caducos, e novamente para países pobres.

O ano era agora o de 1986, e o filme rodava-se nos subúrbios norte de Nova Deli.

(Continued on page 9)

xitizap | hasta siempre Ilaria | ecomafias nas rotas do Índico | o relatório Massimo Scalia

… e Moçambique | batalha da Matola | o último tango em Boane ? | confesso-te Ilaria | LINKS & DOWNLOADS

XITIZAP # 1    20/03/2003